Quem acompanha as principais tendências do marketing e gestão de pessoas, certamente, já ouviu falar sobre Design Thinking. Essa abordagem para a criação de novos produtos e soluções inovadoras foi sacralizada na obra dos gurus do Vale do Silício, David Kelley e Tim Brown, o livro Change by Design, lançado em 2009.

Ainda relativamente nova e pouco usada no ambiente corporativo brasileiro, essa forma de trabalhar e inovar processos vem ganhando cada vez mais adeptos — como o Itaú Unibanco, em seu wealth management, e outras empresas menores que, de a pouco a pouco, vão tomando consciência dessa possibilidade.

Então, se você quer entender melhor como pode se beneficiar dessa abordagem para aplicá-la em sua empresa, continue lendo este post!

Afinal, o que é Design Thinking?

Pelo nome e por falta mesmo de informação, muito associam esse processo criativo a algo relacionado às artes, comunicação ou post-its. Mas, na verdade, o Design Thinking vai muito além de questões pontuais, sendo, de fato, uma forma de entender o trabalho por um novo prisma e gerar novos e melhores resultados.

Colocado de maneira simples, Design Thinking se dedica a resolver problemas e inovar métodos, se apropriando do processo criativo utilizado por designers em seu dia a dia.

Isso significa uma abertura maior à criatividade e a visualização do produto ou da solução antes de ser efetivada. Tudo isso ajuda a tomar decisões mais acertadas, que agradam a ambas as pontas da relação comercial: empresas e clientes.

E quais são os passos para implantá-lo?

Uma das maiores empresas do mundo, e que é um excelente exemplo de como o Design Thinking foi bem implantado, é a Apple.

Como Steve Jobs colocava a satisfação do usuário como questão central na produção da empresa, as três principais técnicas dessa abordagem (alguns a dividem em até 7 etapas diferentes) foram de grande utilidade para o sucesso da Apple.

Abaixo, explicamos um pouco melhor cada uma das três etapas. Confira:

Imersão

Esse é o momento de entender as dores do cliente, o que ele quer e o que busca, e de que forma a empresa pode lhe oferecer uma solução. Pode-se chegar a isso por meio de entrevistas, Cool Hunting e diversas outras possibilidades.

Ideação

O famoso brainstorming (ou “tempestade de ideias”) acontece aqui. Os colaboradores podem pensar e expor livremente as diversas soluções imaginadas, ou mesmo o desenvolvimento de um novo produto, se esse for o objetivo da abordagem em questão.

A ideia é que eles tenham liberdade de raciocínio e ação, podendo até incluir um cliente no processo, para opinar e praticar da criação desse novo produto ou solução.

Prototipagem

Conforme dissemos na introdução, uma etapa básica do processo produtivo de designers é a prototipagem das criações. Nessa fase, o objetivo é gerar uma versão primária, mesmo que representativa, da melhor ideia alcançada no brainstorming (ou melhores).

Dependendo dos recursos e das possibilidades da empresa, essa fase pode ser concomitante com a anterior, tornando ainda mais visualizável as possíveis soluções.

Outra questão importante de ser ressaltada é que utilizar o Design Thinking de maneira isolada e desassociada da cultura organizacional da empresa tende a limitar bastante os benefícios que essa forma de trabalho pode gerar.

Alguns CEOs, com uma visão mais rígida sobre o trabalho, costumam considerar essa estratégia um fracasso justamente por não se abrirem à mudança de postura que o uso constante da criatividade exige. Por isso, cuide para que essa visão limitada não afete a sua empresa.

Quais são os principais benefícios dessa abordagem?

De fato, a aplicação do Design Thinking no meio corporativo gera um ambiente mais aberto, criativo e multidisciplinar, já que a integração entre diferentes equipes deve ser uma constante em seus processos.

Inclusive, utilizar o Design Thinking sem o envolvimento de diferentes atores (profissionais de setores diversos, gestores e até clientes) é a forma menos proveitosa de se utilizar dessa abordagem.

Imagine, por exemplo, psicólogos, profissionais de marketing e designer de produtos juntos, pensando no desenvolvimento de um novo produto ou buscando uma solução inovadora para a sua empresa.

Assim, a chance de se desenvolver algo único e diferenciado é muito maior do que no sistema tradicional, no qual as equipes têm contato umas com as outras apenas em situações esporádicas, certo?

Outra questão importante é que a transformação digital tem dinamizado cada vez mais as relações de trabalho e também a forma como as pessoas consomem. Até porque, convenhamos: continuar agindo sempre da mesma forma e esperar por resultados diferentes não é uma estratégia muito inteligente.

O Design Thinking permite uma nova maneira de enxergar a cadeia produtiva, trazendo mais satisfação aos profissionais e aos clientes. No final, todos se beneficiam — e a sua empresa sai ganhando com isso.

De que forma uma agência especializada pode ajudar a minha empresa?

Uma agência de comunicação integrada pode potencializar o uso do Design Thinking em sua empresa de diversas maneiras, já que conciliará diferentes recursos do marketing e da comunicação para aperfeiçoar os resultados.

Além disso, o know-how adquirido ao longo dos anos e do contato com clientes de diversos contextos faz com que seja possível enxergar possibilidades e caminhos já testados previamente, que criam agilidade na implantação dessa estratégia.

Conforme dissemos, quando o Design Thinking é aplicado de maneira errônea, sem uma devida contextualização, as experiências podem ser frustrantes, já que essa abordagem promete excelentes resultados.

Portanto, contar com uma agência de comunicação integrada, com experiência em marketing do setor agrícola ou comunicação para o setor agrícola e/ou agropecuário, pode ser muito útil das seguintes formas:

  • ajuda a criar o ambiente propício em sua empresa para implementar a técnica do Design Thinking de maneira exitosa;

  • apresenta de antemão alguns caminhos que podem se encaixar melhor aos desafios vividos por sua empresa;

  • integra técnicas de comunicação e marketing para o setor agrícola, podendo empoderar ainda mais estratégias implementadas por essa abordagem;

  • oferece a disponibilidade para frequente consulta a profissionais que dominam essa abordagem.

Enfim, como se pode ver, contar com um grupo voltado para a comunicação integrada para o sucesso do Design Thinking em sua empresa potencializa bastante os bons resultados. Então, se você ficou interessado nesse tipo de benefício, faça contato conosco agora mesmo!